Aqui está a minha vida...

... esta areia tão clara com desenhos de andar dedicados ao vento.

Cecília Meiréles

sexta-feira, 5 de março de 2010

Infelizmente...

...continuam a existir miúdos super populares por esse mundo fora. E continuam a existir vítimas desses miúdos.

Grave, muito grave mesmo, é a reacção das escolas, associações de pais e ministérios que insistem em "mergulhar" a cabeça debaixo de areia. Não sabem de nada... ou não querem saber.

[lembro-me de ter implorado ajuda, a um grupo de professores... naquele dia, eu tinha conseguido fugir, mas a minha amiguinha - éramos tão pequeninas - ainda estava nas mãos deles: os professores nem olharam para mim, seguiram sempre em frente, em alegre tertúlia]

Os especialistas dizem que a grande maioria das crianças vítimas destas outras crianças [monstros] não apresentam queixa. Para quê, haveriam elas, apresentar queixa? Neste país? Onde as crianças não são ouvidas, onde as mulheres vítimas de maus tratos são obrigadas a abandonar as suas casas e a viverem escondidas, onde os velhinhos... nem sequer têm como fugir a isto tudo...

Fazer queixa?

Enquanto existirem pais que dizem que nada sabem e professores que não querem saber, continuarão a existir meninos e meninas que, por certo, rezam todas as noites, implorando que a terra pare, que não amanheça nunca... para que não tenham que ir à escola, para que não tenham que se entregar, indefesos, a estes pequenos monstros.

Pequenos monstros que até têm muita gente ao seu lado... no caso deste menino a própria Associação de Pais nega conhecimento de existências de violência e, para ajudar, o silêncio da escola.

[silêncio, tipo, vamos fazer tudo por tudo para não mexer na m* que ela, mais dia menos dia, deixa de cheirar mal]

A Beatriz teve sorte com os pais... mas, segundo a SIC, vai ser alvo de um processo disciplinar (???). Um processo disciplinar...

Digam-me lá: isto deve dar um gozo àqueles monstrinhos...

[se isto fosse com um filho meu, eu acho que era capaz de algo mesmo muito repreensível por parte da sociedade... mas, essas criançinhas - que são o que existe de melhor no mundo (dizem) - não se ficariam a rir. Nem os pais, nem a escola... nem eu... Mas, é o meu filho e se eu não permiti que repetissem, o que fizeram comigo, com a minha irmã, jamais permitira que fizessem fosse o que fosse com um filho meu... não, sem uma resposta à altura]

Sim, eu sei que a violência não resolve nada...

[ou até resolve: um dia, não sei muito bem o que me deu, depois de ser humilhada na aula de matemática, dei uma porrada a um deles... a partir daí, era Susaninha para aqui, Susaninha para ali... um verdadeiro amigo que não me largava]

Estas situações tiram-me, completamente, do sério. Custa-me tanto ver tudo isto... só quem já passou por uma situação como esta sabe que estas marcas ficam, para sempre, marcadas ferro na nossa alma.

Há dois dias atrás, morreu um menino... pior, o desespero foi tanto que ele decidiu acabar com tudo.

Há dois dias atrás, um menino de 12 anos suicidou-se...

[nem todas as crianças são o melhor do mundo... muito pelo contrário, são verdadeiros monstros a abater e não me venham cá com moralismos, que não se deve sequer ter pensamentos desses... porque se fosse o vosso filho que estivesse perdido nas águas do Tua, também pensariam assim]

3 comentários:

Atena disse...

Amiga Suzana, ainda estou "dorida", com esta notícia. Sempre que abordo casos de bullying, revoltam-se-me as tripas, porque me dá ideia que ninguém percebe a gravidade destas situações. Há muito que digo que tem que ser fortemente penalizado este comportamento, ainda há uns meses fiz um comentário no blog INCLUSO (do prof João), prevendo que um dia algo de muito terrivel iria acontecer se contiuassem a ignorar este assunto... Continuaram e aquele anjinho morreu. Que dor terrível, que negligencia tão grande da parte de todos... O pior é que incrívelmente continuam a dizer que não se passava nada ... o que me faz antever mais casos semelhantes. (Deus queira que eu esteja enganada).
Grande beijinho Suzana e até breve,
Cristina

Fê-blue bird disse...

Amiga:
Pode acreditar que quando ouvi a notícia, fechei a televisão, não consegui ouvir mais este assunto mexe muito comigo.
Não posso imaginar o que leva uma criança a suicidar-se, simplesmente não consigo.
O meu filho quando era pequeno, foi vítimas de uns monstros assim, ele como era muito calmo e introvertido lá ia aguentando, mas eu desconfiei perguntei aos colegas e soube através deles o que se passava. Amiga deu-me uma coisa má, fui à escola e falei directamente com o cabeçinha do grupo,puxei-lhe as orelhas e com a minha pior cara disse-lhe que se eles continuassem naquilo, eu passava-lhes o carro por cima.
Eu estava num tal estado que nem sei do que era capaz e sabia e e sei que não valia de nada andar por lá a fazer queixa a esta ou aquela. Nem ao meu marido contei o certo é que aquilo acabou pois eu estava atenta e alerta.
Não tolero nem admito estas atitudes, à alturas que temos que ir à luta para defender o que é nosso.
Realmente deixar as coisas chegarem a este ponto não tem desculpa.

Um beijinho

Atena disse...

Às vezes até tenho medo do que podería fazer se isso acontecesse com o meu menino...Nem gosto de pensar...

 
Designed by Susana Lopes